04 dezembro 2006

«Não Obrigado»

Encontrámos este artigo, de Lígia Silveira, na Agência Ecclesia.

"Nasce oficialmente amanhã a Plataforma «Não Obrigado», agregadora de vários movimentos que se manifestam contra a despenalização do aborto, afirmando-se «prontos para esclarecer os portugueses sobre o que está em causa».

Sandra Anastácio, responsável e um dos pivots da Plataforma, afirma à Agência ECCLESIA que «queremos uma campanha moderna, dinamizadora, feita no feminino».

O aborto é uma questão feminina e «embora sintamos que o homem não deve estar de fora desta questão, pela forma como a pergunta está feita, o homem fica de fora». Manifesta o desejo de uma campanha «moderna, inovadora e sobretudo muito séria, esclarecedora e muito serena».


Segundo Sandra Anastácio está em causa uma liberalização da lei do aborto. A Plataforma mostra-se contra a forma «como a pergunta está feita porque fala na despenalização até às 10 semanas», explica, acrescentando que «o aborto está despenalizado desde 1984 no que diz respeito à deficiência do feto, violação e problemas de saúde para a mãe; o que está em causa é que à mulher, a seu pedido, seja feito um aborto num serviço público ou numa clínica privada financiada pelo Estado», situação com a qual não concordam.


A esta posição juntam-se pessoas de várias áreas de formação e de várias áreas científicas. «É um grupo de pessoas que de acordo com a sua experiência se opõem à sua liberalização.» afirma a directora da Ajuda de Berço.


O primeiro passo que pretendem dar «é esclarecer que a pergunta está mal feita, porque o que se propõe é uma liberalização até às 10 semanas» e sobretudo «esclarecer sobre o que é o aborto, sobre o que de facto deveríamos estar a discutir, que é dar um apoio maior à maternidade, à mulher e às crianças» enuncia. Em vez disso, «estamos a discutir o aborto, mas vamos dar o nosso contributo enquanto cidadãos para uma discussão abrangente com profissionais de várias áreas».


As conferências e as formações em que apostam serão lugar de esclarecimento, nomeadamente de estudos realizados noutros países onde o aborto foi liberalizado, e que viram a taxa aumentar substancialmente. «Vamos hoje receber americanos em Portugal, que vêm dar o seu testemunho, porque todos os países que liberalizaram o aborto tem-se observado desde a data de liberalização que o aborto tem aumentado muitíssimo. É um facto comprovado. Não diminui o número, antes pelo contrário, pois o aborto é utilizado como contracepção».


Amanhã, no Centro de Congressos de Lisboa, pelas 12h30 - como já anunciámos num post anterior -, várias personalidades públicas darão o seu testemunho e o «seu contributo para esta campanha até ao referendo» lançando assim o terreno para um debate que pretendem esclarecedor."

2 Comentários:

At 05 dezembro, 2006 08:08, Blogger Miriam said...

Espero que corra tudo bem, hoje. Não vou puder estar presente, mas vou estar a torcer para que seja uma boa apresentação... Parabéns à Plataforma!

 
At 05 dezembro, 2006 20:06, Anonymous jo said...

tb n vou puder ir, mas espero q corra bem... sou contra o aborto e vou votar N no referendo... so descobri agora o blog e vou passar a visitar mais vezes... viva a vida...!

 

Enviar um comentário

<< Home